terça-feira, 21 de fevereiro de 2017

BRT do DF funciona apenas como corredor de ônibus, diz relatório da CGU

Projeto custou R$ 648 milhões. Mobilidade afirmou que vai reabrir estações até julho. Segundo pasta, nova licitação será aberta para instalar sistema de informatização da rede.

20/02/2017 -  G1 DF

Relatório da CGU diz que BRT não passa de corredor exclusivo de ônibus

Prometido como um sistema inteligente de transporte, o BRT funciona apenas como um corredor exclusivo de ônibus, aponta um relatório da Controladoria-Geral da União (CGU). No projeto, inaugurado em junho de 2014, foram investidos R$ 648 milhões.

Em entrevista à TV Globo nesta segunda-feira (20), a Secretaria de Mobilidade informou que as estações fechadas vão ser abertas até o início de julho. A pasta afirmou também que já comprou material para a informatização do sistema de operação da rede.

Apesar disso, o governo informou que o consórcio responsável pela obra não quer instalar o sistema porque não recebeu todo o dinheiro para concluir a obra. A pasta responsável pelo serviço informou também que pode abrir uma licitação específica para isso.

Os auditores da controladoria apontaram problemas na qualidade da obra. Segundo o relatório, há trincas e depressões em parte da pista do BRT. Ainda de acordo com o documento, faltam monitores com informações ao passageiro nos terminais.

Sem a informatização da rede do BRT, a integração do sistema com o metrô e o VLT também não foi implementada. Para os auditores do órgão responsável pelo documento, os problemas impedem que o Sistema de Transporte BRT-Sul tenha funcionalidade operacional.

A controladoria afirma também que o GDF não colocou em operação o Sistema de Tráfego Inteligente que deveria coordenar todo o sistema do BRT. O sistema deveria medir o fluxo de veículos e pessoas, além de informar em tempo real o estado das vias e dos meios de transporte.

Apesar de não ter terminado o BRT Sul, o GDF anunciou, na semana passada, a instalação do bilhete único e do sistema de identificação facial por biometria. O gasto com a implantação do serviço deve ser feito pelas empresas de ônibus. Elas alegam, porém, que o governo deve a elas R$ 187 milhões – o GDF contesta e diz que a dívida é de R$ 110 milhões.

Nenhum comentário: