sexta-feira, 6 de janeiro de 2012

GDF estuda colocar ônibus para rodar em 'mão inglesa' na EPTG

05/01/2012 - G1

Estudo sobre uso de faixas da rodovia deve ficar pronto em quinze dias.
Projeto original previa o uso de ônibus com portas dos dois lados.

Diego Moraes
Do DFTV

Modelo adotado no DF não tem portas nos dois
lados do veículo (Foto: Reprodução TV Globo)
Os ônibus que circulam na Estrada Parque Taguatinga Guará (EPTG), no Distrito Federal, podem ser colocados para rodar no contra fluxo dos carros, no estilo "mão-inglesa", segundo a Secretaria de Transportes. Essa é uma das opções estudadas pela pasta para utilização das faixas de concreto na rodovia. Dessa maneira, ao trafegar no sentido contrário ao fluxo, os coletivos poderiam usar as paradas de ônibus instaladas no canteiro central
A proposta de colocar os ônibus em mão contrária é uma alternativa ao projeto original da EPTG, dentro da Linha Verde, que previa o uso de ônibus articulados com portas dos dois lados. Como esses veículos ainda não estão em circulação, as paradas estão abandonadas e os ônibus trafegam apenas nas marginais. O modelo dos coletivos que rodam na cidade atualmente só têm portas do lado direito.

saiba mais

DER-DF quer implantar 35 novos radares na EPTG até fevereiro
Obras de drenagem na EPTG devem começar neste mês, diz DER
Primeira faixa exclusiva de ônibus do DF começa a funcionar nesta terça
GDF terá que investir R$ 6 bilhões para melhorias no trânsito
A secretaria informou que o estudo sobre uso de faixas de concreto na rodovia deve ficar pronto nos próximos quinze dias. O secretário de Transportes, José Vasquez, afirmou que vai ser feito uma avaliação técnica para saber se é possível adotar a medida sem comprometer a segurança da EPTG.

Segundo ele, a mudança seria temporária, até que a licitação das linhas de ônibus do Distrito Federal seja concluída. “Na nova licitação, o contrato já prevê os novos ônibus com portas dos dois lados”, explica.

Caso o estudo aponte que a medida não é viável, a opção será destinar a faixa exclusivamente para ônibus que não param em pontos, como os interestaduais. “O fato é que em 15 dias vamos ter as faixas sendo usadas só por ônibus”, diz Vasquez. Segundo o secretário, o uso das faixas de concreto por carros estimula o abuso na velocidade e reforça a situação de abandono.
A secretaria anunciou nesta quarta-feira (4) medidas emergenciais para melhorar a segurança na EPTG, entre elas a instalação de mais 35 radares fixos (hoje são 15), elaboração de panfletos educativos e colocação de painéis eletrônicos com informações para orientar motoristas sobre as condições de tráfego e meteorológicas.

Nenhum comentário: