sexta-feira, 1 de abril de 2011

Manoel Neto é acusado de irregularidades que levaram a TCB à pior crise

31/03/2011 - Correio Braziliense, Renato Alves

Nepotismo, abuso de poder, desvio de dinheiro público. Práticas comandadas por Manoel Neto no gabinete da mulher, a deputada federal Jaqueline Roriz (PMN), eram comuns na gestão dele à frente da Sociedade de Transportes Coletivos de Brasília (TCB), irregularidades que levaram a estatal de ônibus a viver a pior crise financeira dos seus 50 anos.

Quando assumiu a presidência da TCB, em janeiro de 1999, a empresa era a quarta do setor no Distrito Federal, com 210 ônibus. Sua dívida não passava dos R$ 10 milhões. Neto deixou a estatal três anos depois, com apenas 44 veículos em operação, em oitavo lugar no ranking do transporte coletivo e cerca de R$ 60 milhões em débitos.

Derrotado na disputa por uma cadeira na Câmara Legislativa, Manoel Neto assumiu a TCB no primeiro mês da penúltima gestão de Joaquim Roriz (1999-2002). Na campanha eleitoral, Roriz prometeu reerguer a sucateada estatal. Ao tomar posse na presidência da empresa, Neto reuniu os funcionários e disse que compraria até novos ônibus. Não cumpriram a promessa.

Já em 2001, Roriz anunciou a privatização da TCB, com apoio da Câmara Legislativa. A partir daí, a empresa perdeu suas fontes de renda e passou a dar mais prejuízos ao governo. Desde o anúncio da extinção da estatal, as suas melhores linhas foram entregues às empresas privadas, como a Expresso São José e a Viva Brasília, do então senador Valmir Amaral (PMDB), colega de partido de Roriz e Neto.

Gastos
Contrariando o quadro financeiro negativo, o então diretor presidente da TCB, Manoel Neto, não economizou nos gastos. Em 2001, ele comprou três carros — dois Santanas e um Gol — para a diretoria por R$ 47 mil. Além disso, construiu auditório e consultórios médicos e dentários, apesar de existirem outros maiores na sede da empresa. Estes acabaram desativados.

Neto também não economizou com o funcionalismo. Ainda em 2001, ele aumentou o número de cargos de confiança de 42 para 47. Esses funcionários ganhavam, juntos, R$ 100 mil por mês, um quarto do que a empresa arrecadava.

Entre os funcionários estava a irmã mais velha do presidente da TCB, Cátia Costa de Oliveira, que recebia R$ 2.819 no cargo de chefe de assessoria de planejamento. É a mesma que, anos depois, estaria empregada no gabinete da cunhada Jaqueline Roriz, também sem enfrentar concurso público. Desde o decreto assinado em dezembro de 2001, o GDF assumiu cerca de 1.000 funcionários da TCB — a maioria contratada sem concurso — e uma folha de pagamento de quase R$ 1 milhão.

Festas
Mesmo com o quadro caótico, a TCB ainda fez festa em março de 2002. O evento, realizado no pátio da estatal, com comes e bebes, marcou a despedida de Manoel Neto, que deixou o cargo para concorrer a uma vaga na Câmara Legislativa pelo Partido Trabalhista Cristão (PTC). Não era a primeira festa comandada por Neto na estatal de ônibus.

Na madrugada de 18 de junho de 2000, policiais foram à Garagem Central da TCB (SGON, Quadra 6 ) para conter a violência que tomou conta da festa Vale Transporte-se. Por volta das 3h30, começou uma briga. Dois tiros foram disparados. A PM entrou na empresa e determinou o fim do evento alegando falta de segurança.

Segundo os organizadores, a festa tinha caráter beneficente. Todo o dinheiro arrecadado seria destinado ao Comitê de Entidades Públicas e Privadas de Combate à Fome e à Miséria do DF, da rede nacional criada pelo sociólogo Herbert de Souza. A entidade tinha como secretária executiva Liliane Roriz, filha do governador à época, Joaquim Roriz, futura deputada distrital e cunhada de Manoel Neto.

Liliane não estava na festa e nunca disse quanto a noitada rendeu à entidade. Nem Neto nem a empresa privada organizadora da Vale Transporte-se, que atraiu cerca de 800 pessoas à sede da TCB. Todos, inclusive Manoel Neto, dançaram ao som de música techno até o início da pancadaria.

Os descolados que desembolsaram R$ 15 pelo convite tiveram tratamento VIP. Não precisaram caminhar da portaria da empresa até o local da festa, na área do posto de gasolina. Para fazer o percurso de 200 metros, tinham à disposição dois ônibus da TCB, dirigidos por motoristas da empresa. Um desses veículos era a jardineira usada no programa Turismo Cívico durante o governo de Cristovam Buarque (PT). O outro ônibus, reformado recentemente, seria destinado à Defensoria Pública do DF para o projeto Justiça Itinerante.

Propaganda
Para fechar a sua administração como começou, sob denúncias, Neto mandou afixar propaganda nas traseiras dos ônibus da empresa. O material plástico adesivo divulgava o programa Forró Atividade, de Manoel Neto, que ia ao ar todos os domingos, na Rádio Atividade FM, do ex-deputado federal Wigberto Tartuce (PPB). A publicidade trazia fotografia do apresentador do programa e ex-presidente da TCB. Enquanto isso, sem comprar pneus e peças para os ônibus, a saída da TCB para consertar os veículos era tirar o aproveitável da frota da própria empresa. Uma espécie de canibalismo automotivo.

Nenhum comentário: